RENDIMENTO

Mato Grosso tem terceiro maior rendimento per capita do Centro Oeste em 2017

Rendimento per capita no Estado passou de R$ 3.854 para R$ 4.123, terceiro maior do Centro-Oeste e entre os 15 maiores do Brasil
12-04-2018
Fonte: Redação
Foto: Reprodução

A média mensal de rendimento per capita do mato-grossense em 2017 foi 7% maior, sendo a terceira melhor do Centro-Oeste e ficando entre as 15 melhores do Brasil.

O rendimento per capita chegou a R$ 4.123 no ano passado sendo que em 2016 foi de R$ 3.854, conforme divulgado pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) do IBGE que mensurou a massa do rendimento mensal real domiciliar per capita efetivamente recebido no mês de referência, a preços médios do ano. 

No Centro-Oeste a maior média foi de Goiás que aumentou de R$ 7.856 para R$ 8.685, o Distrito Federal, passou  de R$ 7.307 para R$ 7.747 e Mato Grosso do Sul passou  de R$ 3.514 para R$ 3.425. A média mensal da região, em R$ 2.512 é o maior do Brasil em 2017 ficando acima da média nacional que foi de R$ 2.178.

A massa de rendimento médio mensal real domiciliar per capita, em 2017, foi de R$ 263,1 bilhões sendo que  10% da população tiveram os maiores rendimentos ficavam com 43,3% do total. Os 10% menores rendimentos detinham apenas 0,7% da renda, o que mostra que a desigualdade no país continua.

A pesquisa mostra ainda que em 2017, o país tinha 207,1 milhões de habitantes. Desse total, 124,6 milhões (60,2%) possuíam algum tipo de rendimento. A região Sul (66%) teve o maior percentual de pessoas com algum rendimento, a Norte (52,6%) e a Nordeste (56,5%), os menores. 

As pessoas com rendimento de todos os trabalhos correspondiam a 41,9% da população residente (86,8 milhões) em 2017, enquanto 24,1% (50,0 milhões) tinham algum rendimento de outras fontes. Em 2016, esses percentuais eram: 42,4% dos residentes tinham rendimento de todos os trabalhos (87,1 milhões) e 24% possuíam rendimentos de outras fontes (49,3 milhões). 

A região Sul, em 2017, apresentou o maior percentual de pessoas com rendimento efetivamente recebido de todos os trabalhos (46,8%) e o segundo maior percentual com rendimento proveniente de outras fontes (25,9%). 

Por sua vez, o Nordeste tinha o menor percentual de pessoas com rendimento efetivamente recebido de todos os trabalhos (34,7%) e o maior percentual daquelas que recebiam de outras fontes (27,8%). 

Os dados fazem parte da pesquisa "Rendimento de todas as fontes", um extrato da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, divulgada nesta quarta (11). É a segunda vez que os dados são compilados pelo IBGE e, por isso, não há comparações de médio e longo prazo. 

CONCENTRAÇÃO - O rendimento médio mensal dos trabalhadores mais pobres no Brasil caiu a R$ 47 em 2017, ante R$ 76 no ano anterior, mostra o IBGE. 

Esse contingente soma cerca de 4,5 milhões de pessoas, ou 5% de todos os brasileiros que tiveram renda do trabalho no ano. 

A queda reflete a situação do mercado de trabalho no país, com o fechamento de vagas com carteira assinada. Também caiu a renda média dos trabalhadores que estão entre os 1% mais ricos, que passou de R$ 28.040 para R$ 27.213. 

A pesquisa verificou estabilidade na desigualdade de renda no país. Assim como no ano anterior, os 10% mais ricos concentraram em 2017 43% da massa de rendimentos do país, que somou R$ 263 bilhões. A diferença salarial entre o 1% mais rico e os 50% foi de 36,1%, estável em relação aos 36,3% verificados em 2016. 

 

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS



FINANÇAS PESSOAIS