Além do agronegócio, Mato Grosso tem se destacado cada vez mais na área de mineração. No ranking de produção mineral é o sexto do país. 

Em 2020, o Estado tornou-se o primeiro do Brasil em requerimentos minerais, conforme noticiado pelo MT Econômico neste link.

Segundo o presidente da Empresa Mato-grossense de Mineração (Metamat), Juliano Jorge Boraczynski está havendo grande procura por minérios no Estado de empresários e investidores de outras localidades.

“A busca de empresários de outros estados é muito grande pelo solo mato-grossense. Aqui temos zinco, fosfato, cobre e ouro e, por isso, a continuidade do trabalho da Metamat é muito importante”, afirmou Juliano Jorge.

Ele salientou ainda que há um trabalho forte das empresas e cooperativas garimpeiras em busca da sustentabilidade da atividade especialmente na região Norte de Mato Grosso.

“Antigamente, o garimpo fazia um ‘estrago’ na região, mas hoje é feito um furo por perfuratriz para extrair os minérios”, disse, citando o exemplo da Cooperativa dos Garimpeiros do Vale do Rio Peixoto (Coogavepe), em Peixoto de Azevedo, que é a sexta maior em extração de ouro.

Os investimentos na mineração em Mato Grosso podem aumentar ainda mais com a organização da logística na região garimpeira. “Existe o projeto da ferrovia Ferrogrão ir até Lucas do Rio Verde e porque não pensarmos em um ramal até Juína ou Juara, onde há 55 milhões de toneladas de minério de ferro para transportar, assim como o transporte de zinco da Nexa, em Aripuanã?”, questionou otimista.

Leia mais: Mato Grosso representa 32% do saldo da balança comercial do Brasil