Mapa libera plantio de soja em fevereiro para Mato Grosso

O plantio de soja, em fevereiro, está liberado em Mato Grosso para safra 2021/22. A autorização foi dada pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), na portaria n° 389, de 1° de setembro de 2021, que estabelece os calendários de semeadura da oleaginosa em nível nacional.

Conforme a portaria do Mapa, em Mato Grosso, o plantio de soja pode ser realizado a partir de 16 de setembro de 2021, podendo seguir até 03 de fevereiro de 2022.

O ato atende a um anseio da maioria dos produtores representados pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja MT).

O presidente da Aprosoja Mato Grosso, Fernando Cadore, lembra que este é um pleito de muitos anos da entidade. “Esta portaria do Mapa é uma grande conquista para o produtor de soja do Estado, já que a calendarização anterior estabelecida em 2015, não representava a realidade prática vivida pelo produtor no campo, o que foi comprovado cientificamente, inclusive mostrando uma sanidade e uma qualidade melhor do grão, quando plantado para semente em fevereiro”, afirma.

Conforme o Mapa, a medida fitossanitária, implementada no Programa Nacional de Controle da Ferrugem Asiática da Soja (PNCFS), visa racionalizar o número de aplicação de fungicidas e reduzir os riscos de desenvolvimento de resistência do fungo Phakopsora pachyrhizi às moléculas químicas utilizadas no controle desta praga.

A semeadura de soja que, até o momento, era estabelecida somente nos estados da Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Tocantins, passa ser obrigatória também, a partir desta safra, nos estados do Acre, Alagoas, Amapá, Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraná, Piauí, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima e São Paulo, totalizando 20 unidades da federação com período determinado para início e final do plantio.

Os calendários foram estabelecidos a partir das sugestões de Agências Estaduais de Defesa Agropecuária e do Zoneamento Agrícola de Risco Climático, ajustados em função das condições peculiares de cada região produtora.

“Os ajustes foram efetuados pela coordenação nacional do PNFS, que identificou a necessidade de ampliação da coleta de dados que amparem a delimitação dos diferentes períodos dos calendários de semeadura, assim como o seu efetivo impacto nos resultados pretendidos do programa”, explica a coordenadora-geral de Proteção de Plantas, Graciane de Castro.

Segundo a coordenadora, o objetivo é que a medida seja implementada de forma orgânica e gradual, permitindo que os períodos subsequentes sejam estipulados de forma coerente com o contexto de cada região produtiva, em especial no que se refere às características edafoclimáticas, às práticas de manejo adotadas na prevenção e controle da praga e os resultados dos monitoramentos relativos à sua ocorrência em cada ano agrícola.

CONTROLE DA FERRUGEM – O PNCFS, instituído pela Portaria nº 306/2021, visa ao fortalecimento do sistema de produção agrícola da soja, congregando ações estratégicas de defesa sanitária vegetal com suporte da pesquisa agrícola e da assistência técnica na prevenção e controle da praga.

A Ferrugem Asiática, causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi, e considerada uma das mais severas que incidem na cultura da soja, podendo ocorrer em qualquer estádio fenológico. Nas diversas regiões geográficas onde a ferrugem asiática foi relatada em níveis epidêmicos, os danos variam de 10% a 90% da produção.

Leia também – Clima: Produtores de MT focam atenções nas previsões para nova safra

Tagged: , , , , ,