Sem fêmeas nas escalas, abates de bovinos recuam quase 8% em MT

O abate total de bovinos mato-grossenses registrou queda de 7,46% no comparativo mensal, ou seja, na passagem de março para abril. O volume abatido totalizou 330,84 mil cabeças no mês passado, sendo 26,67 mil cabeças a menos em relação ao mês anterior.

Este cenário de recuo foi pautado pelo abate de fêmeas, que apresentou diminuição de 15,36% ante março, ou seja, 27,39 mil cabeças a menos para o mesmo comparativo. Os dados estatísticos são do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea/MT) e analisados pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Conforme os analistas do Imea, essa dinâmica ocorre sazonalmente, uma vez que o movimento de descarte de matrizes se concentra apenas no primeiro trimestre de casa ano. As regiões sudeste e norte lideraram o movimento de retração com diminuição de 30,10% e 18,06% no mesmo comparativo, respectivamente. “Na categoria dos machos, o abate aumentou 0,40% no mesmo período e totalizou 179,88 mil animais, com as regiões noroeste e oeste puxando essa alta, com volumes de 41,70% e 11,30% maiores na mesma comparação mensal”.

Os analistas destacam ainda que a contínua estagnação da demanda interna vem impactando negativamente sobre a cotação da arroba do boi gordo. Entre a última semana de abril e a primeira de maio houve decréscimo de 0,45%.

Leia também : Novo status sanitário de MT vai valorizar a carne bovina e abrir novos mercados

Esse efeito de retração repercutiu ainda na arroba da vaca gorda que no mesmo período de comparação reduziu 0,35%, ficando cotada na média de R$ 273,94/@.

“A baixa procura pelos recriadores no Estado fez com que os preços dos bezerros de ano diminuíssem 1,21%, além das quedas já efetivadas sobre as arrobas dos machos e das fêmeas. Esse movimento desfavorece a relação de troca para o criador”, apontam os analistas.

RELAÇÃO DE TROCA NO VERMELHO – Em abril, os preços do farelo de soja e do milho apresentaram queda nas cotações em 12,31% e 6,42%, respectivamente, ante a março, e ficaram na média de R$ 2.412,58/t e R$ 73,67/sc, na mesma ordem.

A estimativa de maior produção de soja no país norte-americano foi o principal balizador para pressionar as cotações, na esperança de que a boa safra possa regularizar os estoques globais e elevar o esmagamento no país. Por outro lado, o preço do milho disponível reduziu, devido à aproximação da colheita no Estado, em que é estimada para ser iniciada ainda neste mês.

“No entanto, o preço da arroba do boi gordo apresentou queda de 4,99% no mesmo comparativo, e ficou cotado a R$ 291,93/@ na praça mato-grossense. Diante disso, toda essa conjuntura reduziu a relação de troca do pecuarista em 7,71% para o farelo de soja e fechou em 8,26 @/t, enquanto para o milho a redução foi de 1,50% e ficou em 0,25 @/sc em abril”, completam os analistas.

Leia mais: MT se torna livre de aftosa sem vacinação a partir de 2023

CLIQUE AQUI E VEJA MAIS NOTÍCIAS DE AGRONEGÓCIO

Tagged: , , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: