Há 12 meses, Cuiabá se consolida líder geração solar distribuída

Há um ano, Cuiabá – Capital de Mato Grosso (MT) – se consolidou como líder no ranking municipal de energia solar na geração distribuída (GD), de acordo com os dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), divulgados em maio, tendo como mês de referência, abril.

O estudo mostra que a cidade tem 117,5 megawatts (MW) em potência instalada em telhados, fachadas e pequenos terrenos, que correspondem a 1,1% do total de potência instalada na modalidade no País.

Segundo o balanço, Brasília (DF) ocupa o segundo lugar, com 106,6 (1% do total nacional), e, em terceiro, está Teresina (PI), com 105,7 (1% do total nacional).

A primeira vez que a capital mato-grossense assumiu a primeira posição entre os municípios foi em dezembro de 2020, com 51,6 MW de potência instalada. Em janeiro de 2021, subiu para 53,0 MW, em fevereiro para 58,8 MW (1,3%). Já em março e abril, Cuiabá ocupou a segunda posição com 61,5 MW e 65,3 MW, respectivamente. Nesta época, o primeiro lugar era ocupado por Brasília, com 64,8 MW e 66,0 MW. Já em maio de 2021, Cuiabá voltou ao pódio, de onde segue invicta.

Leia também: Mais de 49 mil consumidores utilizam fonte solar em MT

De acordo com o mapeamento do Sindicato da Construção, Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica e Gás no Estado de Mato Grosso (Sindenergia MT), com base nos dados Absolar, a fonte solar de geração própria e de grandes usinas já trouxe ao Brasil mais de R$ 78,5 bilhões em novos investimentos, R$ 21,7 bilhões em arrecadação aos cofres públicos e gerou mais de 450 mil empregos acumulados desde 2012. Com isso, também evitou a emissão de 20,8 milhões de toneladas de CO² na geração de eletricidade.

Para o presidente do Sindenergia e diretor regional da Absolar, Tiago Vianna, o atual cenário é um reflexo da alta constante nas tarifas de eletricidade nos últimos anos, a energia solar se tornou uma alternativa para o cidadão controlar suas despesas, a medida também conta com segurança jurídica.

“Desde janeiro deste ano, a geração de energia solar residencial finalmente passou a contar com uma lei que traz regras: o Marco Legal da Geração Distribuída, e deve auxiliar com a economia na conta de luz de quem adota o sistema”, analisa Vianna.

Segundo análise da Absolar, o setor espera um crescimento acelerado este ano nos sistemas solares em operação no Brasil, especialmente os de geração própria solar, em decorrência, sobretudo, da entrada em vigor da Lei n° 14.300/2022, que criou o Marco Legal. “Trata-se, portanto, do melhor momento para se investir em energia solar, justamente pelo período de transição previsto na lei, que garante até 2045 a manutenção das regras atuais aos consumidores que instalarem um sistema solar no telhado até janeiro de 2023”, explica Ronaldo Koloszuk, presidente do Conselho de Administração da Absolar.

Leia mais: Governo recorre de decisão do TJ sobre cobrança do ICMS da energia solar em MT

CLIQUE AQUI E VEJA MAIS NOTÍCIAS DE COMÉRCIO E SERVIÇOS

Tagged: , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: