fbpx

A estimativa dos economistas para a inflação deste ano já chegou a 7%, segundo levantamento feito pelo Banco Central e divulgado nesta segunda-feira (18). A pesquisa é feita com mais de cem instituições financeiras.Com isso, o mercado financeiro prevê que a inflação ficará, novamente, acima do teto de 6,5% do sistema de metas brasileiro neste ano – algo que já aconteceu em 2015, ano em que o IPCA alcançou 10,67%. 

 

Para 2017, a previsão do mercado financeiro para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, subiu de 5,2% para 5,4%. A taxa não extrapola o teto de 6,5%, mas se distancia ainda mais da meta central, de 4,5%, no ano que vem. Recentemente, o BC informou que buscará "circunscrever" o IPCA aos limites estabelecidos pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em 2016 (ou seja, trazer a taxa para até 6,5%) e, também, fazer convergir a inflação para a meta de 4,5%, em 2017. 

 

Produto Interno Bruto

 

Para o PIB de 2016, o mercado financeiro manteve a estimativa de uma contração de 2,99% na semana passada.
Como o mercado segue estimando "encolhimento" do PIB em 2015, se a previsão se concretizar, será a primeira vez que o país registra dois anos seguidos de contração na economia – a série histórica oficial, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tem início em 1948.

 

Taxa de juros

 

Após o BC ter mantido os juros estáveis em 14,25% no fim de novembro, o maior patamar em nove anos, o mercado manteve a estimativa de que os juros voltarão a subir na próxima quarta-feira (20), quando termina reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), para 14,75% ao ano. Para o fim de 2016, a estimativa permaneceu em 15,25% ao ano – o que pressupõe novos aumentos dos juros básicos da economia no decorrer deste ano. Já para o fechamento de 2017, a estimativa para a taxa de juros subiu de 12,75% para 12,88% ao ano.

 

Para o fechamento de 2017, a previsão dos economistas para o dólar subiu de R$ 4,23 para R$ 4,30. A projeção para o resultado da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações) em 2016 subiu de US$ 35 bilhões para US$ 35,5 bilhões de resultado positivo. Para o próximo ano, a previsão de superávit avançou de US$ 35 bilhões para US$ 38,8 bilhões. Para 2016, a projeção de entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil ficou inalterada em US$ 55 bilhões e, para 2017, a estimativa dos analistas permaneceu em US$ 60 bilhões.