Professora de MT representará o Brasil em evento internacional de cooperativismo

Com o artigo intitulado “As relações do indivíduo com a comunidade como impulso para o desenvolvimento do perfil da pessoa cooperativa”, a professora Carla Machado foi selecionada para representar o Brasil no Congresso Mundial de Cooperativas, em evento prévio (Conferência de Pesquisa Cooperativa da Aliança Cooperativa Internacional), que ocorre entre 28 e 30 de novembro, antecipando o Congresso que será realizado de 1º a 3 de dezembro próximo em Seul, na Coreia do Sul.

A professora da graduação e coordenadora da pós-graduação e extensão da Faculdade de Cooperativismo (Icoop) em Mato Grosso passou por uma seleção que envolveu artigos vindos de diversos países. Do total, 180 foram selecionados para apresentação no evento e, neste rol de vencedores, há apenas 19 textos de pesquisadores brasileiros.

Os materiais serão apresentados durante três dias em Seul e Carla, como autora de uma das obras eleitas, prepara-se para este momento. A expectativa dela é grande, tendo em vista que a professora terá a importante tarefa de mostrar aos pares, que também pesquisam sobre o cooperativismo, que Mato Grosso é produtor qualificado de conhecimento.

“Estou muito feliz em ter a oportunidade de trocar conhecimentos com pessoas que também foram picadas pelo bichinho do cooperativismo e passaram a ter o sangue verde (risos). O cooperativismo é diferente. É uma forma de trabalhar com mais humanismo e com objetivo de construir uma vida com mais oportunidade para todos”, afirma.

Em Mato Grosso, as cooperativas de crédito já tiveram adesão de 17% dos matogrossenses, segundo noticiado pelo Mato Grosso Econômico.

No artigo, Carla faz uma revisão bibliográfica sobre o tema com autores estrangeiros e, principalmente, com o pesquisador brasileiro José Eduardo de Miranda, que contribuiu com duas produções entre as referências bibliográficas. Ele é um dos docentes da pós-graduação em Direito Corporativo no Icoop e é reconhecido pela atuação nesta área e também pelas colaborações que faz em relação à identidade cooperativista.

CONSTRUÇÃO DA IDEIA – Como é graduada em psicologia e pós-graduada em cooperativismo, Carla Machado conseguiu convergir os dois olhares sobre o tema, trazendo investigações da área psicossocial, neurociência e sociobiológicas. “A ideia é conhecer os motivos que fazem uma pessoa ser cooperativa e outra não, perpassando sempre a educação, área que atuo hoje”, explica.

E, depois do evento em Seul, esta pesquisa será aproveitada pela professora, que hoje é mestranda na Universidade de Mondragón, no País Basco, na Espanha – cidade referência para cooperativismo no mundo – com ênfase nos setores de trabalho e industrial.

No trabalho de conclusão de mestrado, Carla pretende apresentar uma ferramenta para identificar o quão cooperativista é uma pessoa ou quais competências cooperativistas ela tem. Mondragón tem um modelo, mas ele está focado em um público diferente e com particularidades daquela localidade, que são divergentes das do Brasil.

Usando da revisão bibliográfica, a pesquisadora pretende fazer trabalho de campo para comprovar o funcionamento da ferramenta, que poderá ajudar as cooperativas na contratação de colaboradores e na construção de políticas públicas que favoreçam o fortalecimento e até mesmo a construção do perfil cooperativo.

A ESCOLHA – A seleção dos artigos foi realizada pela Aliança Cooperativa Internacional. O objetivo comum a todos era captar como a identidade cooperativa auxilia a reconstruir melhor juntos e superar crises com solidariedade e resiliência.

Leia também: Cooperativas de crédito já atraíram 17% da população de Mato Grosso

Tagged: , , , ,