TAXAÇÃO AGRONEGÓCIO

Setor da pecuária é totalmente contra nova taxação do agronegócio

Estagnação no preço da arroba de boi, aumento dos custos e diminuição do consumo interno da proteína da carne bovina já vêm impactando pecuaristas nos últimos três anos
Sábado 01 de Dezembro de 2018
Redação
Setor da pecuária é totalmente contra nova taxação do agronegócio

Pecuaristas de Mato Grosso não concordam com a taxação do agronegócio. Ainda mais nesse momento em que o preço da arroba do boi estagnada nos últimos três anos e os custos de produção em constante reajuste fazendo com que o setor enfrente a pior crise.

Ao todo, são cerca de 100 mil produtores no estado, que possuem o maior rebanho do país, um total de 30 milhões de animais, porém, 75% destinado ao mercado interno, que está enfraquecido.

O tema foi discutido durante audiência pública realizada nesta quinta-feira (29), na Assembleia Legislativa, como proposta do deputado estadual Wilson Santos no enfrentamento à crise do governo estadual. Mas, para o presidente da Associação dos Criadores Nelore de Mato Grosso (ACNMT), Mario Candia, que também representava a Acrimat, o setor já vem contribuindo com várias taxas, entre elas, Fabov, Fesa, Fethab 1 e 2 e suporta uma alta carga tributária.

“Vamos esperar a avaliação dos outros setores agro, mas nós, da pecuária, não temos como taxar mais a nossa carne. Já vivemos um momento muito difícil, em que a nossa margem está negativa ou muito próxima disso. Veja bem, enquanto o consumo interno da proteína da carne bovina caiu, todos as despesas aumentaram, como insumos, mão de obra, sal mineral, ração, arame e diesel. Além disso, temos que investir em melhores tecnologias e reforma de pasto. Diante deste cenário, esperamos bom senso de todos os envolvidos nessa discussão”, frisou Candia.

Conforme o superintendente do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Daniel Latorraca, a comparação feita pelo parlamentar (Wilson Santos) com o estado vizinho, Mato Grosso Sul, deixa em grande desvantagem principalmente o pecuarista, pois as realidades são bastante distintas. Enquanto a arroba em Mato Grosso estagnou em R$ 135 reais, o custo do abate de uma cabeça de boi chegou neste ano a R$ 42 em taxas pagas pelo produtor. Já os sul-mato-grossenses pagam R$ 17/cabeça, ou seja, 151% a menos.

“Infelizmente o PIB (produto interno bruto) decresceu no Brasil e em Mato Grosso, o que gerou muita dificuldade aos pecuaristas. Para 2019, com um novo governo, é esperada uma retomada do mercado interno, a alta da arroba do boi e a manutenção dólar em patamar elevado, o que pode ajudar na exportação, claro, aliada à abertura novos mercados. Uma nova taxa não cabe aqui, é preciso compreender que nos últimos anos o setor da pecuária enfrentou não só com a crise econômica e política, também passou por várias operações (Carne Fraca), que trouxeram impactos muito negativos”, acrescentou Latorraca.

Setor Agro

O Fórum Agro MT apresentou durante a audiência pública dados que demonstram a evolução econômica do agronegócio, custos de produção e os impactos negativos que novas taxações podem gerar para o desenvolvimento do estado, entre eles, na geração de emprego e renda. No ano passado, por exemplo, o agro respondeu por 33% da participação dos empregos gerados no estado, segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

"Onde tem agro tem emprego e renda circulando. Não viemos aqui para o embate, mas sim para o debate. O agro já é taxado e essa taxação é alta não pelo valor que é pago, mas pelo retorno em serviços que temos direito. Essa é a discussão que tem que ser feita", argumentou Normando Corral, presidente do Sistema Famato e do Fórum Agro MT. 

Participaram do debate produtores rurais de vários municípios e as lideranças e representantes das entidades que fazem parte do Fórum Agro MT (Famato, Aprosoja, Ampa, Acrimat, Acrismat, ACNMT e Aprosmat).

Nelore MT

A ACNMT é uma entidade sem fins lucrativos, fundada em 20 de março de 1994, que congrega criadores de todo o estado e que tem por finalidade fortalecer e defender a raça que representa 80% do rebanho de corte nacional, promovendo o melhoramento genético animal e a valorização de sua carne. Outras informações: (65) 3624-0182/3322-0712, [email protected] ou http://www.neloremt.org.br.

Veja no MT Econômico mais notícias sobre agronegócio. Acesse aqui.


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS