Turismo

Brasileiros viajaram menos em 2019, segundo IBGE. Esse ano resultado também deve ser fraco

Em 78,2% (56.692) dos domicílios visitados pelo IBGE durante a pesquisa, não ocorreram viagens
Quarta-feira 12 de Agosto de 2020
Redação
Brasileiros viajaram menos em 2019, segundo IBGE. Esse ano resultado também deve ser fraco

O suplemento de Turismo da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad 2019), divulgada hoje (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela que do total de 72.533 domicílios visitados no terceiro trimestre do ano passado, em apenas 21,8% (15.841) algum morador fez pelo menos uma viagem no período de referência. Dos que realizaram viagens, 48,8%, ou o equivalente a 2.816 domicílios particulares permanentes, tinham renda nominal per capita, isto é, por individuo, de quatro ou mais salários mínimos.

Em 78,2% (56.692) dos domicílios, não ocorreram viagens. Desses, 46.985 apresentavam renda inferior a dois mínimos. Dos 15.841 domicílios em que houve viagens no terceiro trimestre de 2019, 75,5% dos moradores (11.966) fizeram uma viagem no período, seguidos de 13,3% (2.143) com duas viagens no período pesquisado.

Os principais motivos alegados para nenhum morador do domicílio ter viajado no período foi a falta de dinheiro (48,9%), falta de tempo (18,5%) e não ter necessidade (13,5%). Mas enquanto a não disponibilidade de dinheiro foi admitida por 64,7% de moradores com renda inferior a meio salário mínimo, 55,5% entre meio mínimo e menos de um e 43,5% de um a menos de dois, a falta de tempo foi alegada por 32,4% dos que ganham de dois mínimos a menos de quatro e por 39,1% dos que recebem quatro ou mais salários.

Este ano o número de viajantes também deve cair, devido à pandemia do coronavírus que impôs medidas de isolamento social, restrição ao comércio e tem provocado cautela no cidadão. O resultado das empresas que operam o turismo está sendo ruim e a previsão é que apenas ano que vem a situação melhore. No segundo semestre desse ano, é possível o início de uma retomada, mas um número mais relevante deve ser observado a partir de 2021, segundo opinião do MT Econômico.

Leia mais: Semana do Brasil pretende aquecer a economia e minimizar perdas do comércio


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS