Endividamento

Dívidas de cuiabanos e inadimplência diminuem; auxílio emergencial contribui para redução

O patamar atual é 4,9% menor do que o registrado em junho de 2020
Terça-feira 08 de Setembro de 2020
Redação
Dívidas de cuiabanos e inadimplência diminuem; auxílio emergencial contribui para redução

Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada no mês de agosto pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso (Fecomércio-MT), os cuiabanos estão menos endividados. De acordo com os dados já é o segundo recuo consecutivo e o indicador atingiu 69,8%.

O patamar atual é 4,9% menor do que o registrado em junho de 2020 (74,7%), período em que a pesquisa apresentou o maior resultado desde o início da pandemia. Na comparação anual, o índice está 5,1 pontos percentuais maior do que o verificado em agosto de 2019 (64,7%). “O auxílio do governo federal contribuiu, positivamente, para a recuperação do consumo, auxiliando no pagamento de despesas dos cuiabanos”, disse o presidente da Fecomércio-MT, José Wenceslau de Souza Júnior.

Tipo de dívidas

O cartão de crédito lidera como principal tipo de dívida das famílias cuiabanas, com 68,2%, uma queda na comparação com o mesmo período do ano passado (71,7%). Os carnês aparecem em segundo, com 34,8%, e, em terceiro, o financiamento de carro, com 8,1%.

Inadimplência

Com relação ao número de endividados com contas em atraso e que, portanto, tornaram-se inadimplentes, o ritmo também foi de queda, saindo de 42,4% registrado em junho, passando para 41,5% no mês seguinte, até aos atuais 38,1% em agosto. No entanto, o percentual ainda é maior se comparado a agosto do ano passado, quando atingia 31,9% das famílias.

Já sobre a parcela daquelas que declararam que não terão condições de pagar as dívidas, a queda foi menor no mesmo período, de 17,2% em junho, para 17,1% em julho e, agora, com 15,7%. Este resultado é o único inferior na comparação anual da pesquisa, quando, em agosto de 2019, o percentual estava em 15,9%.

Capacidade de pagamento

A parcela da renda comprometida com dívidas também acompanhou o ritmo de queda dos últimos meses, de 25,3% em junho – maior patamar no ano –, para 24,3% em julho e 23,5% em agosto, se aproximando do valor registrado no mesmo período do ano passado, que foi de 22,8%.

Dados Nacionais

O percentual de famílias endividadas (com atraso ou não) e inadimplentes (com contas em atraso) aumentou em agosto deste ano. O endividamento atingiu 67,5% das famílias brasileiras, de acordo com dados divulgados na última quinta-feira (03/09) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), acima dos 67,4% de julho deste ano e dos 64,8% de agosto do ano passado.

Inadimplência - Já a inadimplência chegou a 26,7% das famílias em agosto, percentual superior aos 26,3% de julho deste ano e aos 24,3% de agosto do ano passado.

Condições de pagar - As famílias que não terão condições de pagar suas contas chegou a 12,1% acima de julho (12%) e de agosto do ano passado (9,5%).

Poupança - Segundo o presidente da CNC, José Roberto Tadros, as famílias com maior renda têm aumentado a poupança em detrimento do consumo, principalmente de serviços, mas as famílias com renda mais baixa têm tido mais necessidade de crédito.

Redução de parcelas - De acordo com a CNC, embora estejam mais endividadas, as famílias reduziram a parcela média da renda comprometida com dívidas em agosto. Entre as famílias endividadas, 21,4% afirmaram ter mais da metade da renda mensal comprometida com o pagamento destas dívidas, a terceira queda consecutiva depois de ter atingido 22,4% em abril.

Leia mais: Depois de 4 meses em queda, Cuiabá registra saldo positivo de empregos formais


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS