Ferrovia

Empresários querem trilhos até o Distrito Industrial de Cuiabá

Região foi planejada para receber investimentos de grande porte e promover o desenvolvimento do estado
Sexta-feira 25 de Setembro de 2020
Assessoria
Empresários querem trilhos até o Distrito Industrial de Cuiabá

Desenvolvimento econômico, novos negócios, novas indústrias, geração de emprego, redução nos custos de transporte e das mercadorias são alguns dos benefícios que serão gerados com a chegada da ferrovia até Cuiabá. O assunto foi o tema de uma reunião, nesta quarta, 23, na sede da Associação das Empresas do Distrito Industrial de Cuiabá (AEDIC). Participaram empresários do distrito, membros do Fórum Pró-Ferrovia e representantes da Brado Logística, empresa especializada no transporte de cargas por ferrovias e que atua no terminal ferroviário de Rondonópolis. 

A reunião teve o objetivo de unir esforços para fomentar a chegada da ferrovia à cidade, especificamente até o maior polo de Mato Grosso, o Distrito Industrial da capital, onde estão instaladas 260 indústrias dos mais variados setores, que geram milhares de empregos e milhões em impostos. 

Vários projetos de ferrovias estão previstos para Mato Grosso nos próximos anos. Os trilhos que chegarão até Cuiabá são a continuidade da Ferronorte a partir de Rondonópolis. A Rumo Logística, que recentemente teve seu contrato de concessão renovado, já anunciou que a ferrovia passará por Cuiabá, mas ainda não mostrou o traçado e não apontou onde será instalado o terminal de cargas e descargas. 

“O Distrito Industrial é o destino natural da ferrovia. Temos aqui a termoelétrica, o gasoduto, a aduaneira (Porto Seco), universidades na região que podem atuar formando os profissionais que atenderão a demanda dos negócios que surgirão. O distrito foi planejado para receber investimentos de grande porte. A ideia é que a ferrovia esteja mais próxima das empresas que já estão instaladas na região”, afirma o presidente do Fórum Pró-Ferrovia, Francisco Vuolo. 

Ele acrescenta que indústrias do setor de transformação, têxtil e biocombustível já manifestaram interesse em se instalar em Cuiabá depois que a extensão da Ferronorte estiver concluída. Em média, o modal ferroviário reduz em 20% os custos do transporte de cargas, tornando o produto transportado muito mais competitivo. 

Compromisso - A expansão dos trilhos é um compromisso feito pela empresa após a aprovação, pelo Tribunal de Contas da União, da prorrogação antecipada da concessão da Malha Ferroviária Paulista com ramificações até Mato Grosso. A viabilidade econômica do empreendimento já foi aprovada e aguarda aprovação do Ibama (projeto ambiental) e Agência Nacional de Infraestrutura de Transportes (ANTT) do projeto técnico.

A malha norte da Rumo prevê a expansão dos trilhos de Rondonópolis para Campo Verde, Cuiabá, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, levando e trazendo produtos para o porto de Santos (SP). O investimento para a expansão estão previstos em R$ 6 bilhões, sendo que R$ 2 bilhões são para o terminal de Cuiabá. 

“A Rumo já se comprometeu com um terminal na nossa capital. Nosso trabalho agora é atuar com a concessionária para que este terminal chegue o mais próximo possível do distrito industrial”, completa Francisco Vuolo.

O diretor comercial da Brado Logística, Douglas Goetten, acredita que o terminal ferroviário de Cuiabá poderá ultrapassar o de Rondonópolis em operações e toneladas de cargas transportadas, “devido a capacidade de instalação de indústrias, negócios e empreendimentos periféricos envolvidos. É importante destacar que o terminal de Cuiabá não será concorrente com o de Rondonópolis, mas sim um complemento”. 

Aproximadamente 80% dos produtos considerados carga livre, transportados pela ferrovia até Rondonópolis, tem como destino final a capital. “A vinda do terminal promoverá uma verdadeira revolução da indústria e agroindústria de Mato Grosso”, disse Douglas. 

“O terminal em Cuiabá promoverá uma mudança na economia do estado. Muitas empresas não se instalam ou não evoluem aqui devido a dificuldade logística.Com o terminal, nós seremos muito mais competitivos e teremos condições de transformar e industrializar produtos que exportamos in natura, agregando muito mas valor”, explica o presidente em exercício da AEDIC, Domingos Kennedy Garcia Sales. Ele lembra que Cuiabá é o maior polo consumidor de Mato Grosso, não sendo admissível ficar de fora dos vários projetos ferroviários que estão previstos para o estado nos próximos anos. 

Leia mais: Ministro reafirma intenção de trazer ferrovia a Cuiabá e pede apoio de Fávaro no Senado


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS