Locação de Veículos

Locação de veículos aumenta em Mato Grosso com a pandemia

O MT Econômico traz para você nessa matéria um panorama do que tem acontecido com esse setor em Mato Grosso
Quinta-feira 25 de Março de 2021
Redação MT Econômico
Locação de veículos aumenta em Mato Grosso com a pandemia

Com a crise econômica provocada pela pandemia, que fez milhares de brasileiros perderem emprego e empresas fecharem suas portas, o setor de locação de veículos vem expandindo seus serviços pelo país e também, em Mato Grosso. 

Isso é decorrente principalmente do trabalho alternativo que tomou conta do mercado, por meio dos aplicativos de transporte. Por mais que o setor de turismo, um dos mais impactados pela pandemia e que movimenta muitas locações tenha freado os aluguéis de veículos, por outro lado, as locadoras encontraram o nicho dos motoristas de aplicativo como forma de reduzirem o impacto econômico que também atingiu este segmento econômico. As pessoas precisam de mobilidade e muitos têm evitado o transporte público devido ao ambiente fechado e aglomeração, optando pelo serviço de transporte de aplicativo.

E diante da crise, onde muitas pessoas encontraram nos transportes de aplicativo um meio de renda familiar, o aluguel de veículos para trabalho se tornou uma boa opção, principalmente por muitos motoristas não terem condições de comprar um carro, ou simplesmente não quererem desgastar seus veículos próprios com a rotina diária de transporte de passageiros.

O MT Econômico traz para você nessa matéria um panorama do que tem acontecido com esse setor em Mato Grosso. Segundo o Anuário Brasileiro do Setor de Locação de Veículos, com dados do SERPRO (Serviço Federal de Processamento de Dados) e do DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito), as 247 empresas de locação de veículos que atuam em Mato Grosso emplacaram, no decorrer do ano passado, exatos 1.968 automóveis e comerciais leves. A publicação é organizada pela Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (ABLA).

A frota total do setor, que soma as unidades compradas com veículos seminovos já disponíveis, chegou em 6.229 no Estado, um aumento de 10,4% nem relação a 2019. Das 247 locadoras ativas em Mato Grosso, 233 alugam veículos sem motorista, enquanto 14 atuam prestando o serviço de aluguel incluindo o motorista. Essas empresas são responsáveis pela manutenção de 872 empregos diretos.

Ranking das marcas

Dos 1.968 automóveis e comerciais leves comprados no ano passado, 34,2% foram modelos da Volkswagen. Em seguida, vieram os modelos da General Motors com 24% de participação nas compras anuais do setor no Estado. O terceiro lugar ficou com a Renault com 15,7%. A FCA com 13,5% e a Toyota com 6,3% completam o ranking das cinco montadoras que mais venderam veículos para o setor de locação em Mato Grosso em 2020.

Desafios do setor

No país como um todo, apesar da pandemia ter impactado o segmento, o setor de locação de veículos ultrapassou a marca de 1 milhão de automóveis. "Esse recorde foi atingido mesmo diante da dificuldade de comprar e receber carros novos, na medida em que as montadoras sofreram e ainda sofrem com a falta de insumos para retomar seu ritmo normal de produção", explica o presidente da ABLA, Paulo Miguel Junior. "A preocupação de que não haja carros suficientes para a renovação da frota persiste, inclusive, para este ano de 2021".

Principalmente em função de tais entraves, as compras de carros novos por parte das locadoras (360.567 unidades) ficaram aproximadamente 33% abaixo daquelas realizadas em 2019, quando o setor emplacou 541.346 automóveis e comerciais leves. Porém, mesmo em ano de pandemia, o total de postos de trabalho nas locadoras subiu de 75.104 para 77.214; e o número de empresas ativas no segmento avançou de 10.812 para 11.053.

Paralelamente a isso, em 2020 foram vendidas 44,6 milhões de diárias de aluguel de carros, ante 49,6 milhões vendidas em 2019. Com isso, o faturamento bruto anual do setor caiu de R$ 21,8 bilhões para R$ 17,6 bilhões, enquanto o faturamento líquido recuou de R$ 19 bilhões para R$ 15,3 bilhões.

Leia mais: Mesmo com imposto mais baixo do país, combustível em Mato Grosso registra preço elevado com vários aumentos consecutivos


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS