POUPANÇA

Após anúncio da Selic, poupança renderá apenas 0,33% ao mês

Hoje, com juros de 6,5%, fundos DI com taxa de até 1% empatam com o ganho das cadernetas após o imposto de renda
Sexta-feira 21 de Junho de 2019
Money Times / MT Econômico
Após anúncio da Selic, poupança renderá apenas 0,33% ao mês

Com a divulgação do Comitê de Política Monetária (Copom) que manteve a taxa básica de juros Selic em 6,5% ao ano, a previsão é que a poupança renda apenas 0,33% ao mês.

Nas projeções da maioria dos analistas e economistas de bancos e gestoras de recursos, segundo o relatório Focus do Banco Central, o juro Selic deve começar a cair depois de agosto e fechar o ano em 5,75% ao ano.

O Copom deve cortar a taxa, mas depois, provavelmente após a aprovação da reforma da Previdência, passará a baixa-la para estimular a economia. E há projeções que colocam a Selic em percentuais menores, de 5% no fim do ano, caso do banco Itaú.

Caderneta vai render 4% ao ano

Essa queda terá impacto nas aplicações de renda fixa, onde está a maior parte do dinheiro dos brasileiros, em especial nas cadernetas de poupança, que seguem liderando a preferência de grande parte da população, como mostrou estudo recente. Como as cadernetas rendem 70% da Selic, hoje o poupador recebe 4,55% ao ano, ou 0,37% ao mês.

Com o juro a 5,75%, a caderneta renderá 4,02% líquidos, empatando com a inflação esperada para 2020, ou 0,33% ao mês. Isso significa que uma aplicação de R$ 10 mil renderá por mês R$ 33,00. Em um ano, serão R$ 402,00.

Fundos com taxa de administração de 0,5% perderão para poupança

Outro impacto ocorrerá nos fundos de investimentos. Carteiras mais conservadoras, como fundos DI ou renda fixa soberano, não poderão ter taxa de administração superior a 0,5% ao ano se quiserem empatar com o rendimento da poupança com a Selic em 5,75%.

Hoje, com juros de 6,5%, fundos DI com taxa de até 1% empatam com o ganho das cadernetas após o imposto de renda. E outros fundos de renda fixa que não DI também não poderão ter taxas muito acima de 1%, mesmo buscando ganhos maiores em papéis privados ou de prazo mais longo.

De olho nos invetimentos

A sugestão que o MT Econômico traz é que os brasileiros revejam suas estratégias de investimento para terem um pouco mais de ganho real, pois com as mudanças previstas não trazem boas perspectivas para os pequenos investidores. 

De certa forma, muitos ainda não conseguem nem poupar parte do que ganham por mês. O primeiro passo começa por ai. O MT Econômico traz uma editoria de finanças pessoais para ajudar as pessoas a economizar e evitar gastos desnecessários. Quer conferir mais sobre finanças pessoais clique aqui. Se quer melhorar a rentabilidade dos seus investimentos procure o gerente o seu banco ou um assessor de investimentos para auxiliá-lo.


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS