Abertura da Economia

Brasil tem que ser aberto para competitividade, disse Guedes em Davos

Segundo o ministro da Economia, por "odiar competição", país perde oportunidades de ter mais empresas e gerar mais empregos
Quarta-feira 22 de Janeiro de 2020
Larissa Quintino
Brasil tem que ser aberto para competitividade, disse Guedes em Davos

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira, 21, que o caminho para aumentar empregos e diminuir a desigualdade no Brasil é abrindo o país para competição. 

Segundo ele, quem quer comprar uma casa tem poucas empresas disponibilizando o serviço, assim como há seis grandes bancos concentrando crédito e serviços financeiros. Citando como exemplo a compra de uma casa, ele disse que há poucas empresas prestando o serviço e seis grandes bancos concentrando os recursos para o financiamento. “Há cartel em todo o lugar. “Exploramos” 200 milhões de pessoas porque nós não gostamos do capitalismo. Odiamos competição”, afirmou durante a participação em um painel no Fórum Econômico Mundial, na Suíça, que tratava da situação da América Latina.

Guedes afirmou que a economia brasileira está retomando o crescimento por investimentos privados, já que o governo vem diminuindo seus gastos públicos e que, a intenção, é abrir mais o país para o mercado internacional, trazendo investimento que possa gerar empregos. Pouco antes, em conversa com jornalistas, o ministro da Economia afirmou que o Brasil deve assinar um acordo internacional que permite que empresas estrangeiras participem de licitações de obras públicas.

Crescimento

Segundo o ministro, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve crescer 2,5% em 2020 – acima da previsão divulgada na última semana por sua pasta, que projeta 2,4% para a economia.  Segundo ele, isso acontece porque o governo Bolsonaro está  “removendo os arpões que travavam o crescimento” do país, citando o descontrole fiscal. Segundo ele, ao retirar esses ‘arpões’, o país pode crescer 4% em 2022, último ano da gestão Bolsonaro.

De acordo com o ministro, o país alterou seu mix econômico para aumentar a participação do setor privado na economia.  “O mix sempre foi com o lado fiscal solto e o monetário preso e, agora, é com o lado fiscal preso e o monetário, solto”, afirmou. Para apertar o cinto dos gastos públicos, o ministro comemorou a aprovação reforma da Previdência. Segundo Guedes, é um sinal de maturidade do país que as pessoas tenham ido às ruas para aprovar as mudanças que, segundo ele, eram uma fábrica de privilégios.

Segundo o ministro, agora a prioridade deve ser aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos gatilhos emergenciais, garantindo aos governos regionais e ao governo federal a possibilidade de congelar a folha de pagamentos dos seus funcionários.  “Atacamos a previdência, atacamos os pagamentos de juros na dívida pública e, agora, a folha de pagamentos”, afirmou.


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS