Mercado de Trabalho

Com a crise, 2,9 milhões de trabalhadores perderam o emprego. Indústria é o setor mais afetado

Os empregos perdidos na crise chega a 52%, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados)
Terça-feira 24 de Dezembro de 2019
MT Econômico/Caged/Ipea
Com a crise, 2,9 milhões de trabalhadores perderam o emprego. Indústria é o setor mais afetado

Com a crise econômica mais de 2,9 milhões de brasileiros perderam o emprego de 2015 a 2017. A estimativa foi feita pelo Jornal O Estado de S. Paulo.

Do ano passado até novembro deste ano 1,5 milhões de pessoas voltaram ao mercado de trabalho. No entanto, mais 1,4 milhões de vagas precisam ser reabertas para que o emprego volte ao nível anterior à recessão econômica.

Os empregos perdidos na crise chega a 52%, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e se refere apenas às vagas de empregos formais.

Setores Econômicos

Entre os setores econômicos, a indústria é a que recebeu maior impacto. Foram fechados 1,1 milhão de vagas no setor entre 2014 a 2017. Apenas 11,3% foram reabertas nos últimos 2 anos (126,7 mil). 

Para o mesmo período, o índice de recontratação na construção civil é ligeiramente superior: 13,5%. Foram 991,6 mil demissões frente a 134,4 mil vagas reabertas.

Os setores de comércio e serviços também foram afetados em 2015 e só começaram a se recuperar entre 2017 e 2018. 

Para o comércio, 227,8 mil vagas foram reabertas nos últimos 3 anos, cerca de 67,7% das 410,2 mil fechadas entre 2015 e 2016. Serviços tem saldo positivo de 286,2 mil empregos criados – foram 660,5 mil posto fechados e 946,7 mil admissões de 2017 a 2019.

Emprego Formal em queda

O Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) aponta que, desde 2017, o emprego formal tem perdido espaço no total de pessoas ocupadas no Brasil. O percentual de trabalhadores com carteira assinada recuou quase 3 pontos percentuais nos últimos 3 anos, passando de 58,8% no fim de 2015 para 56% no trimestre encerrado em outubro de 2019. Muitas pessoas tem optado pela informalidade ou pelo micro empreendedorismo por necessidade.

A taxa de desemprego em outubro ficou em 11,6% – ou seja, 0,1 ponto percentual abaixo do observada no mesmo mês do ano passado. O Ipea entende que o desemprego continua caindo, mas com menos força. Eis a íntegra do estudo do instituto sobre o mercado de trabalho.

Confira no botão vermelho abaixo a pesquisa detalhada do Ipea.






COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS