Carne Bovina

Exportação de carne de Mato Grosso perde o fôlego em novembro

Em relação ao faturamento, o movimento registrado foi de alta, cerca de 9,56% a mais que em outubro de 2019
Terça-feira 10 de Dezembro de 2019
MT Econômico/SBA
Exportação de carne de Mato Grosso perde o fôlego em novembro

Após alta nos últimos meses, as exportações de carne bovina de Mato Grosso perderam o fôlego em novembro. O montante exportado em Equivalente Carcaça (EC) ficou praticamente estável, queda de -0,38% no comparativo mensal, totalizando 45,84 mil toneladas. 

Em relação ao faturamento, o movimento registrado foi de alta, cerca de 9,56% a mais que em outubro de 2019, o que se refere a US$ 168,90 milhões de dólares. Os dados são do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

O quilo da carne bovina de Mato Grosso passou de US$ 3,35 o kg em outubro para US$ 3,68 o kg em novembro deste ano. Já em comparação com nov de 2018, tanto o volume quanto o valor exportado foram superiores, 26,48% e 48,89%, respectivamente, pois na época foram de 36,24 mil toneladas em equivalente carcaça e US$ 113,44 milhões de dólares. Este comportamento tem sido favorecido, em especial, pela baixa disponibilidade do produto no país, pela alta demanda chinesa e pelas valorizações da moeda americana.

Na semana passada os preços da arroba do boi gordo registraram desvalorização no comparativo mensal de 1,19%, fechando a R$ 191,57 @. Para vaca gorda, aumento foi de 0,26%, encerrando a R$ 181,25 @.

Com a interrupção do movimento de alta intensa nas cotações, as escalas de abate subiram 1,08 dia se comparada a semana passada, ficando em uma média de 6,69 dias. Por outro lado, este movimento foi mais favorável para o diferencial de base MT-SP. Isso porque este indicador encurtou na semana passada 3,46 p.p, no valor médio de -13,46%. Com a queda nos preços da arroba do boi gordo e sustentação nos do bezerro de ano, a relação de troca boi/bezerro, no comparativo semanal, caiu 4,55%, ficando em 2,16 cab. 

Acompanhe a recente alta da carne na publicação anterior do MT Econômico neste link.


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS