Frete mais barato

Gás natural deve ajudar a reduzir o custo do frete em Mato Grosso

A nova opção de combustível gera uma estimativa de economia entre 30% e 38% em relação ao diesel
Segunda-feira 27 de Janeiro de 2020
MT Econômico/Jairo Sant'Ana
Gás natural deve ajudar a reduzir o custo do frete em Mato Grosso

Tendência mundial já adotada em países como Estados Unidos, China, Rússia, Índia, Espanha, Argentina, Colômbia e Peru, o uso de Gás Natural Liquefeito (GNL) como combustível em breve será uma realidade em Mato Grosso, especialmente para atender o corredor Rondonópolis (MT) – Miritituba (PA). Mensalmente circulam cerca de 53 mil caminhões de 1.681 km pelo corredor.

A informação é do diretor-presidente da MT Gás, Rafael Reis, que na semana passada apresentou a proposta para representantes do Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas de Mato Grosso (Sindmat). Segundo ele, esta nova opção de combustível gera uma estimativa de economia entre 30% e 38% em relação ao diesel.  

“É uma redução muito grande no custo do combustível para as transportadoras. Consequentemente, reduzirá o valor do frete e dos produtos transportados e deve baixar os preços para o consumidor final e aumentar o consumo estadual”, diz.

Rafael Reis explica que a MT Gás elaborou um plano estratégico para concretização da proposta de uso desta opção de combustível no Estado, com a previsão de lançamento durante a 1ª Expo Transporte, a ser realizada em setembro deste ano.

“O mês de janeiro foi dedicado ao planejamento das ações, enquanto em fevereiro a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e o Senai farão o estudo de viabilidade e logística para a implantação do projeto. Em junho, a MT Gás, cuja responsabilidade é a gestão do projeto, lança o edital de chamamento público (licitação) para escolher a empresa que fará a liquefação do gás natural para colocá-lo no mercado”, explica Rafael Reis.

Para o presidente do Sindmat, Eleus Vieira de Amorim, a proposta da MT Gás embute duas questões positivas para o segmento do transporte rodoviário de cargas. “Primeiro, a questão do meio ambiente, por ser um combustível limpo, que não polui. E, depois, pela estimativa de redução do custo. Quem não quer pagar menos? Quando se tem o consumo de combustível com preço reduzido, com certeza o frete também será reduzido e quem ganha é toda a sociedade”, afirma.


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS