Estoque de comida

População não precisa correr para o supermercado e estocar comida, pois carne não vai faltar, afirma Sindifrigo

A projeção é de que a produção brasileira de carne bovina deve ser 35,5% maior do que o volume consumido no País
Terça-feira 24 de Março de 2020
MT Econômico
População não precisa correr para o supermercado e estocar comida, pois carne não vai faltar, afirma Sindifrigo

Muitas pessoas têm ido ao supermercado fazer estoques de alimentos achando que vai faltar. A percepção popular contagiou a população de Mato Grosso e de todo o Brasil fazendo aglomerações nesses estabelecimentos e aumentando o risco de proliferação do coronavírus.

No entanto, o MT Econômico traz uma boa notícia para os consumidores e um alerta ao mesmo tempo. Os números mostram que produção de carne bovina deve superar o volume de consumo em 2020, mesmo diante da pandemia global do novo coronavírus (Covid-19).

Segundo levantamento encomendado pelo Sindicato das Indústrias de Frigoríficos (Sindifrigo), o fornecimento de carne bovina está garantido no Brasil, e em Mato Grosso.

A projeção é de que a produção brasileira de carne bovina deve ser 35,5% maior do que o volume consumido no País. Essa produção já está contratada com as operações em andamento nas fazendas, e, por conta da dinâmica da cadeia produtiva, não pode ser interrompida. Ou seja, os volumes serão produzidos, portanto não há risco de desabastecimento de proteínas.

A avaliação do Sindifrigo, por meio do presidente da entidade, Paulo Bellincanta, é de que o setor produtivo de carne bovina está trabalhando para garantir o fornecimento de alimento de qualidade para todos os brasileiros e para as centenas de países para os quais a nossa carne é exportada. 

A entidade também informa que está em contato direto com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para gerenciar e identificar situações pontuais que necessitem de ações para ajustar fluidez do processo produtivo. 

Então fica o alerta à todos: não precisa correr ao supermercado para estocar comida em casa. Isso só deve fazer com que os preços subam, pois a lei de mercado de "oferta e procura" vale com ou sem coronavírus. Quanto mais a população se desesperar e aumentar o consumo, mais o preço dos alimentos pode subir. É só relembrar da recente greve dos caminhoneiros em 2018 e avaliar a alta dos preços da época.  

Esse é o alerta do MT Econômico à todos os consumidores, baseando numa informação oficial do Sindifrigo e análise geral do mercado.


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS