Medidas contra Crise

Associação das Indústrias do Distrito Industrial de MT cobra medidas econômicas no Estado

O temor é que muitas empresas não suportem a falta de movimentação e faturamento durante o período em que durar a necessidade de isolamento
Sexta-feira 20 de Março de 2020
Assessoria
Associação das Indústrias do Distrito Industrial de MT cobra medidas econômicas no Estado

A Associação das Empresas do Distrito Industrial (AEDIC) integra o grupo de entidades que encaminhou ao Governo Federal e ao Governo do Estado um documento solicitando medidas econômicas a serem tomadas imediatamente para minimizar os impactos causados pela pandemia do novo coronavírus (COVID-19) em Mato Grosso e no Brasil.

O documento foi encaminhado oficialmente pela Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt) e pela Federação de Bens, Comércio e Turismo do Estado (Fecomércio-MT), em nome de inúmeras entidades representativas do setor econômico, às autoridades federais e estadual.

A Associação também adotou ações para garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que atuam nas mais de 250 empresas instaladas no distrito. A presidente da AEDIC, Margareth Buzetti explica que as indústrias foram orientadas a adotar o “Guia SESI de preparação das empresas para enfrentamento da pandemia de COVID-19”. “Cada empresa, com suas particularidades e necessidades, estão adotando medidas de prevenção, além de observarem seus colaboradores se apresentarem algum dos sintomas da Covid-19. O importante dentro das indústrias, neste momento, é manter todos seguros e saudáveis”.

Impactos econômicos - Com a indicação do governo para que as pessoas fiquem em casa como forma de evitar o contágio pelo coronavírus, os setores produtivos apontam ações que amenizem o impacto do isolamento social nas empresas, visando a manutenção do emprego e renda. O temor é que muitas empresas não suportem a falta de movimentação e faturamento durante o período em que durar a necessidade de isolamento dos brasileiros, encerrem as atividades ou demitam parte dos funcionários.

Entre as medidas sugeridas estão a criação de linhas de crédito para capital de giro, com juros diferenciados, carência e alongamento dos prazos de pagamento; prorrogação dos prazos de vencimento dos compromissos das empresas por 180 dias; suspensão por 90 dias do pagamento de financiamentos da casa própria, veículos e empréstimos.

“No distrito industrial, onde a maioria das empresas é indústria, já estamos sentindo o impacto do momento. O temor de que muitas empresas não consigam sobreviver a paralização do país é muito grande”, conta Buzetti.

Além da manutenção das empresas e dos empregos, outra preocupação da empresária é com a garantia do fornecimento de produtos básicos para a população brasileira. Margareth Buzetti aponta que os governos municipais, estaduais e federal precisam trabalhar em conjunto para buscar soluções que mitiguem os impactos da paralização, provocada pela pandemia, no país. “Os governos, em todas as esferas, precisam atuar juntos e traçar um plano de logística que garanta o abastecimento do país nas próximas semanas. É necessário garantir a logística para fornecimento e abastecimento de alimentos, remédios e combustível”.


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS