INDÚSTRIA 4.0

Programa Startup Indústria 4.0 busca incentivar conexão com empreendedores

A segunda edição do programa traz uma novidade: a internacionalização do projeto.
Segunda-feira 01 de Julho de 2019
Época Negócios
Programa Startup Indústria 4.0 busca incentivar conexão com empreendedores

Conforme  análise de Guto Ferreira, presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI),  está se abrindo uma nova relação entre a indústria e as startups.  “A indústria é um terreno fértil para startups porque dá escala para seus projetos. Em contrapartida, as grandes empresas conseguem aproveitar essas soluções inovadoras para reduzir custos e aumentar produtividade”, diz o executivo em entrevista a Época Negócios.

Justamente por essa conexão gerar tantos benefícios, a Agência estranhou, há cerca de três anos, a falta de relação entre as partes no Brasil. “No mundo todo, havia uma tendência de aproximação, com startups resolvendo diversos problemas da indústrias de maneira rápida e barata.”

E para tentar entender os motivos para isso, a entidade se aliou à Associação Brasileira de Startups (ABS) para realizar uma pesquisa com representantes das duas partes. “Chegamos à conclusão de que havia um grande preconceito vindo dos dois lados. As startups achavam que 'a indústria é repleta de gente velha, que não sabe nada sobre inovação e o futuro’. Por outro lado, as indústrias viam as startups ‘como um meio muito novo, que ainda não entendia o mundo dos negócios’”, aponta.

Programa Startup Indústria 4.0

Com o objetivo de incentivar essa aproximação, a ABDI criou, então, o Programa Startup Indústria 4.0, que chega agora a sua segunda edição. A iniciativa injetará R$ 4,8 milhões em startups, para que elas desenvolvam soluções para problemas identificados por grandes indústrias selecionadas.

A primeira edição do projeto contou com 10 grandes empresas e 27 startups participantes. No total, foram desenvolvidas 32 soluções que envolveram temas como big data, analytics, internet das coisas, realidade virtual, biotecnologia e automação.

A expectativa para essa segunda edição, explica Guto, é aumentar consideravelmente o tamanho dos resultados do projeto, que recebeu inscrições de 87 grandes empresas e 499 startups.

A Agência já selecionou as 30 indústrias participantes. Entre elas, Renault, Natura, Bosch, Votorantim Cimentos, Carterpillar, 3M, Mondelez, Tigre, Nestlé, Vale e BRF. Segundo o divulgado, o objetivo é conseguir conectar essas companhias com pelo menos 60 startups.

Internacionalização

A segunda edição do programa traz uma novidade: a internacionalização do projeto. O edital que selecionou as indústrias participantes, por exemplo, foi aberto para companhias brasileiras e portuguesas – a portuguesa Myshirt, do setor têxtil foi uma das 30 escolhidas.


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS