Canteiros de Obra

Construtoras devem manter medidas para evitar a propagação da Covid-19

A Covid-19 tem feito sido uma das grandes preocupações do setor da construção civil, que deve adotar medidas para conter a contaminação nos canteiros de obra
Segunda-feira 06 de Julho de 2020
MT Econômico/Assessoria
Construtoras devem manter medidas para evitar a propagação da Covid-19

Além da preocupação com os clientes, as construtoras devem tomar medidas para evitar a propagação do novo coronavírus nos canteiros de obras, dessa forma protegendo seus colaboradores, garantindo assim a segurança, a empregabilidade e a renda na construção civil.

"A construção civil se tornou serviço essencial e o setor está mobilizado em manter as boas práticas para preservar os colaboradores, evitar que a atividade econômica não seja prejudicada e fazer o possível para entregar no prazo nossas obras", pontua o engenheiro Edgar Veggi, empresário da construção e um dos diretores do Sindicato das Indústrias da Construção do Estado de Mato Grosso (Sinduscon-MT).

Renata Lopes, coordenadora de qualidade do Grupo FV, explica como a corporação com sede em Mato Grosso tem agido neste sentido. Entre as medidas, está a disponibilidade de locais para lavar as mãos com frequência, além de álcool em gel 70% e toalhas de papel descartáveis.

"Ampliamos a frequência de limpeza de pisos, maçanetas, equipamentos de proteção e banheiros com álcool 70% ou solução de água sanitária", detalha.

Também foi alterada a escala dos colaboradores e foram disponibilizados horários alternativos para garantir a segurança durante o trajeto. Os trabalhadores que utilizam transporte público devem trocar as roupas ao chegar ao trabalho e lavar as mãos como já indicado. Suas roupas devem ficar armazenadas dentro do armário. "Orientamos para que evitem abraços e apertos de mão".

Durante as refeições deve ser mantida a distância mínima de 1,5 metros nos refeitórios, que só receberá grupos pequenos para evitar aglomerações. O almoço está sendo fornecido em marmitas, evitando assim o contato com utensílios de servir.

As empresas que integram o Grupo FV também reduziu o contingente de pessoal, começando pelos colaboradores que se enquadram na classe de maior risco (acima de 60 anos e portadores de doenças crônicas como diabetes, hipertensos, deficiência pulmonares, gestantes e lactantes).

"Estamos realizando o monitoramento de temperatura e sintomas gripais dos colaboradores na entrada e saída e sistematicamente ao longo do dia", observa a coordenadora.

Caso esteja doente, o trabalhador deve ficar em casa e encaminhar o atestado pela internet. Para os clientes, está sendo disponibilizando atendimento 100% on line.

Leia mais: Custos com cartório e ITBI podem ser incorporados no financiamento imobiliário


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS