Exportação

Mato Grosso sobe no ranking de exportação, puxado pela venda de carne bovina ao exterior

O mercado externo é muito competitivo, e Mato Grosso tem se consolidado como um grande exportador.
Sexta-feira 07 de Agosto de 2020
Redação
Mato Grosso sobe no ranking de exportação, puxado pela venda de carne bovina ao exterior

Segundo o Boletim Comex MT, produzido pelo Centro Internacional de Negócios (CIN) da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), o estado de Mato Grosso subiu uma posição no ranking nacional, comparando o ano anterior, se tornando o quarto maior exportador do Brasil, com crescimento de 6,62% em receita. A tendência nacional foi no sentido oposto, com retração de 7,36%. 

Um dos setores da indústria que mais cresceu foi o de carne bovina, que neste primeiro semestre teve alta de 40,52%.

O levantamento foi divulgado nesta quinta-feira (06/08) e consolida os resultados do primeiro semestre de 2020, em comparação com o mesmo período de 2019.

Outra informação importante trazida pela publicação, que a partir de agora terá periodicidade com análises mensais, é a de que o estado representa 58% das exportações do Centro-Oeste, o equivalente a US$ 9,6 bilhões. Os números fazem referência ao primeiro semestre deste ano.

“O mercado externo é muito competitivo, e Mato Grosso tem se consolidado como um grande exportador. Esses recursos que vem de fora do país são muito importantes para a circulação da economia, sobretudo neste momento de pandemia, já que promovem a geração de emprego e impulsionam a compra de insumos para o agronegócio e agroindústria”, pondera o presidente da Fiemt, Gustavo de Oliveira.

O Boletim Comex MT mostra que apenas 23% da receita gerada pelas exportações vem de produtos industrializados, enquanto que 77% são provenientes da agropecuária. Para Oliveira, Mato Grosso pode se orgulhar do crescimento da exportação, mas é preciso ir além.

“A pauta de exportação ainda é de bens primários, que acabam virando insumo para industrialização. Nos últimos meses, vendemos para o mundo quase US$ 10 bilhões, porém deixamos de exportar muito mais porque nossos produtos têm pouco valor agregado”, finaliza.

Oportunidades – Apesar dos números robustos de exportações no segmento de commodities, o gerente de Desenvolvimento Industrial da Fiemt, Lucas Barros, destaca que cenário é uma grande oportunidade para que pequenas e médias empresas mato-grossenses possam internacionalizar seus negócios.

“Existe um mito que venda internacional é para as grandes empresas. Mas, micro, pequenas e médias também tem condições de exportar e o CIN pode ajudar nisso. Temos um amplo portfólio de serviços e soluções para contribuir com a inserção, cada vez mais, de produtos manufaturados mato-grossenses no exterior. Queremos ajudar as empresas na capacitação em comércio exterior, estudo de inteligência comercial, emissão de documentos para exportação e missões empresariais”, finaliza.


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS