Opinião – Corrida Intensa: Produção de Alimentos

Estamos no meio de uma corrida intensa: a de produzir alimentos em escala global, na velocidade proporcional à demanda que cresce constantemente. No modelo econômico atual, existe uma preocupação constante com a qualidade do alimento entregue à população e a rentabilidade do produtor rural. Exemplos comuns utilizados até agora para enfrentar esta problemática são políticas públicas de incentivo fiscal e créditos bancários com juros baixos destinados ao produtor do campo e indústrias de alimentos. Ações como esta ajudam muito, mas com o passar do tempo vão perdendo eficiência.

Nós acreditamos que o melhor caminho está em melhorar o rendimento e a eficiência da produção rural, buscando sempre agregar valor à produção e aproximando cada vez mais o produtor rural ao consumidor final. Hoje a principal ferramenta para isto é a tecnologia; a vantagem que a tecnologia proporciona é que ela pode ser adaptada para resolver qualquer situação, agregando valor aos alimentos produzidos e melhorando a rentabilidade do produtor rural.

O Mato Grosso retém uma boa percentagem da produção global de commodities alimentícias, o milho e soja produzidos aqui viajam grandes distâncias até serem processados e transformados em alimento, a cada quilômetro percorrido aumenta a distância entre o campo e o consumidor final, diminuindo proporcionalmente a rentabilidade do produtor rural.

Por meio da tecnologia podemos aprimorar fluxos e automatizar processos, aperfeiçoando cada vez mais a operação. Dessa maneira o produtor passa a ter  maior controle da direção que quer dar ao seu negócio, explorando produtos que geram maior rentabilidade e mercados mais próximos de suas terras.

Leia também – Opinião: LGPD. A fiscalização vai começar

Do mesmo jeito que o planeta está crescendo, mercados locais também estão e a demanda por produtos industrializados acompanham este crescimento. A diferença é que a qualidade do alimento entregue pode aumentar em proporção a distância que ele precisa percorrer até chegar a mesa do consumidor final, e o maior beneficiado deste modelo é a população, que passa a ter acesso a alimentos cada vez mais saudáveis.

Julio Panoff é especialista em supply chain, relações públicas, comunicação e cultura organizacional por MITx e as universidades de Auckland na Nova Zelândia e Queensland na Austrália. Trabalhou na liderança global da multinacional de alimentos BRF e hoje lidera o pilar de tecnologia da Planejar Agro em Mato Grosso.

CLIQUE AQUI E VEJA MAIS ARTIGOS DE OPINIÃO

Tagged: , , , ,