Previsão de crise

Abrasel reivindica flexibilização do decreto que limitou atividade dos restaurantes aos fins de semana e período noturno em MT

O setor espera que o governador ouça as reinvindicações e cheguem a um entendimento em alguns pontos do decreto
Segunda-feira 08 de Março de 2021
Redação MT Econômico
Abrasel reivindica flexibilização do decreto que limitou atividade dos restaurantes aos fins de semana e período noturno em MT

Um caos econômico pode estar chegando em Mato Grosso no setor de restaurantes e alimentação fora do lar, segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL MT). As medidas de restrição que impedem o funcionamento dos estabelecimentos aos finais de semana e período noturno podem desencadear desemprego e fechamento de empresas.

No início desse mês foi determinado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso para que a capital cumpra o decreto do Governo do Estado (Decreto Estadual nº 836, publicado no Diário Oficial do Estado em 01/03/2021), impondo o fechamento de estabelecimentos às 19h e toque de recolher entre 23h e 5h. Aos finais de semana é restrito o funcionamento aos sábados, até 14h e domingo o comércio deve seguir fechado segundo a determinação do decreto.

O setor é composto por 26 mil empresas, que movimentam R$ 5,5 bilhões anualmente em Mato Grosso, gerando 70 mil empregos diretos e 150 mil postos de trabalho indiretos. 

Representantes da ABRASEL MT se reuniram com deputados na semana passada para contornar a situação, na tentativa de estabelecer um diálogo com o governo do Estado, salientando que os restaurantes sempre seguiram as medidas de biossegurança e distanciamento das mesas, portanto, não podem ser enquadrados como “baladas”, onde costuma ocorrer contato mais próximo entre as pessoas com aglomerações indevidas.

A própria entidade apoia que deve haver fiscalização para estabelecimentos que descumprirem as regras e protocolos estabelecidos pelo poder público e ressalta que existem muitos pequenos empreendedores que dependem da comercialização de seus produtos no período do jantar e aos fins de semana para manterem suas atividades e seu sustento familiar.

O setor espera que o governador ouça as reinvindicações e cheguem a um entendimento em alguns pontos do decreto. A ALMT se comprometeu em discutir o assunto com urgência.

Leia mais: Vaidade política volta a ser palco entre Emanuel Pinheiro e Mauro Mendes e deixa sociedade e comerciantes confusos


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS