LOA 2021

Deputados de MT aprovam LOA 2021 em segunda votação

A projeção do governo é um orçamento de R$ 22,114 bilhões para o próximo ano. Neste ano, o orçamento foi de R$ 20.328.195.378 bilhões
Quarta-feira 06 de Janeiro de 2021
Flávio Garcia
Deputados de MT aprovam LOA 2021 em segunda votação

Os deputados estaduais de Mato Grosso aprovaram em segunda votação, na tarde desta terça-feira (05), o Projeto de Lei 913/2020, a Lei Orçamentária Anual de 2021. Foram 22 votos favoráveis, um voto contrário do deputado Faissal Kalil (PV) e uma abstenção do deputado Ulysses Moraes (PSL). A LOA de 2021 recebeu 314 emendas, das quais, 67 foram rejeitadas e 247 aprovadas. 

O deputado Faissal Kalil (PV) fez questão de argumentar que o seu voto contrário deve-se ao que classificou de “deficiências em pastas importantes, como saúde e educação”. Segundo ele, “essas deficiências vêm do governo passado, do Pedro Taques, e não foram sanadas pelo atual governador, eu não me sinto confortável em votar a favor, então fui contra a LOA, porque eu não admito aumento de duodécimo”, disse em plenário.

A projeção do governo é um orçamento de R$ 22,114 bilhões para o próximo ano. Neste ano, o orçamento foi de R$ 20.328.195.378 bilhões. O orçamento prevê R$ 2,1 bilhões em investimento para todas as áreas de infraestrutura em Mato Grosso. Conforme o governo, pela primeira vez depois de alguns anos, a LOA não irá gerar déficit.

O deputado Lúdio Cabral (PT), durante a votação, pediu destaque para a votação das emendas 281, 282, 298, 299, 300, 301, 302, 003, 304 e 306. Dessas, apenas a 281, que trata dos recursos da Secretaria de Meio Ambiente, foi aprovada em plenário. Também foram votadas em destaque as emendas 41 e 42, a pedido do deputado delegado Claudinei (PSL), que foram rejeitadas em plenário.

Lúdio Cabral recordou que o Pantanal de Mato Grosso foi amplamente atingido por incêndios em 2020 e que o valor destinado seria irrisório, não sendo possível aguardar recursos de multas e de compensação ambiental que entrem durante o ano de 2021.

O deputado Dilmar Dal´Bosco (DEM), líder de governo na Assembleia Legislativa, pediu aos demais parlamentares para que a rejeição às emendas fossem mantidas. O líder argumentou a impossibilidade de transposição de recursos entre as pastas. O deputado citou uma emenda do deputado Lúdio Cabral (PT), que transfere mais de R$ 5 milhões da Secretaria de Comunicação para o a Secretaria de Meio Ambiente. 

Leia mais: STF nega pedido da prefeitura de Cuiabá para impedir troca do VLT por BRT


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS