Subprodutos do milho

Indústrias de etanol de milho não terão subprodutos taxados, conforme projeto aprovado na ALMT

Os subprodutos do etanol de milho são usados como fonte de alimento proteico para nutrição animal
Sexta-feira 21 de Maio de 2021
Redação MT Econômico
Indústrias de etanol de milho não terão subprodutos taxados, conforme projeto aprovado na ALMT

Foi aprovado essa semana na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (ALMT), o Projeto de Lei 684/2019 que veda a tributação de subprodutos originados no processamento de etanol de milho (DDG e WDG).  As indústrias desse segmento têm se instalado em vários municípios do Estado, recebendo investimentos milionários e gerando empregos locais.

O projeto de autoria do deputado estadual Xuxu Dal Molin (PSC), acrescenta novo dispositivo ao artigo 7º da Lei nº 7.263/2020, o qual tem por finalidade dirimir as discussões acerca da não incidência do subproduto de milho ao Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab). 

Os subprodutos do etanol de milho são usados como fonte de alimento proteico para nutrição animal. O grão de destilaria seco (DDG) e o grão de destilaria úmido (WDG) têm sido uma alternativa para reduzir custos e garantir a competitividade do setor produtivo em Mato Grosso. 

Segundo a União Nacional do Etanol de Milho (Unem), para cada tonelada de milho processado, são produzidos em torno de 300 quilos de grão de destilaria seco. A estimativa de produção nesta safra é superior a 1,8 bilhão de toneladas. 

“Em pouco tempo, Mato Grosso terá três novas usinas de etanol de milho em atividade. O aumento da produção e da oferta do produto tende a influenciar no crescimento da agropecuária, entre outros setores produtivos. Ao tributar este segmento, estamos desestimulando a produção de combustível limpo, além da geração de emprego e renda”, avalia Xuxu Dal Molin. 

As indústrias de etanol de milho em Mato Grosso têm chamado a atenção do país e dos governantes. No ano passado, o presidente Jair Bolsonaro visitou Mato Grosso para a inauguração de uma usina de etanol de milho no Estado.

Já aprovado em segunda votação, o projeto de lei segue para a sanção do governador Mauro Mendes. 

Em 2020, o MT Econômico publicou diversas matérias sobre a expansão das usinas de milho em Mato Grosso. Releia abaixo:

Indústria de etanol de milho deve gerar 890 m³ de etanol hidratado por dia em Nova Mutum

Empresa de etanol de milho totaliza R$ 1 bilhão de investimento em Nova Mutum

Maracajá Bioenergia e Lucas E3 firmam parceria para instalação de usina de etanol de milho em MT

Usina de Biodiesel é instalada em Cuiabá e deve produzir mais de 300 milhões de litros por ano


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS