Infraestrutura

Leilão de rodovias de Mato Grosso deve arrecadar cerca de R$ 6 bilhões para os cofres do Estado

Ao todo, foram três lotes totalizando 512,2 quilômetros.  Este foi o segundo maior leilão de rodovias do Brasil, perdendo somente para o Governo de São Paulo, que concedeu 1.273 quilômetros de malha rodoviária
Sexta-feira 27 de Novembro de 2020
Redação MT Econômico
Leilão de rodovias de Mato Grosso deve arrecadar cerca de R$ 6 bilhões para os cofres do Estado

Cerca de 500 quilômetros de rodovias estaduais foram colocadas em leilão nesta quinta-feira (26) pelo governo de Mato Grosso, na sede da bolsa de valores de São Paulo (B3). Serão arrecadados cerca de R$ 6 bilhões para os cofres do Estado.

Com as concessões, a qualidade das estradas deve melhorar em Mato Grosso, favorecendo a logística do agronegócio e também a geração de emprego e renda.

Ao todo, foram três lotes totalizando 512,2 quilômetros.  Este foi o segundo maior leilão de rodovias do Brasil, perdendo somente para o Governo de São Paulo, que concedeu 1.273 quilômetros de malha rodoviária.

O objetivo, segundo o governador Mauro Mendes é manter a qualidade das rodovias estaduais nos próximos 30 anos. “Em 2021, traremos novos trechos para leilão e até 2022 nós queremos colocar mais 1900 km de rodovias para concessão", segundo o governador.

Todo o processo de concessão foi conduzido pela Comissão Permanente de Licitação da Secretaria Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) e assessorado pela B3. Já os estudos de modelagem técnica, econômico-financeira e jurídica referentes aos três lotes, bem como as respectivas minutas de edital e contrato, foram realizados pela Secretaria-adjunta de Logística e Concessões da Sinfra, junto ao Grupo Houer Concessões.

Lotes leiloados

Foram leiloados três lotes de rodovias: Lote 1, com 138,4 quilômetros da MT-220, no trecho entre Tabaporã e Sinop; o Lote 2, com 233,2 quilômetros, das rodovias MT-246, MT-343, MT-358 e MT-480, nos trechos de Jangada a Itanorte; e o Lote 3, com 140,6 quilômetros da MT-130, entre Primavera do Leste e Paranatinga.

As concessões têm prazo de 30 anos e o critério de julgamento das vencedoras durante o leilão foi o de menor valor da tarifa de pedágio, tendo como critério de desempate o maior valor de outorga, cujo valor mínimo estabelecido em edital era de R$ 50 mil.

Ao todo, os contratos somam quase R$ 6 bilhões, com uma taxa de retorno de 9,2%. Os investimentos previstos para serem aplicados na melhoria dos três lotes das rodovias ao longo do prazo de concessão são da ordem de R$ 3,341 bilhões.

Leia mais: Players do setor de transporte discutem cenários e medidas para reaquecimento da economia pós-coronavírus


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS