Previdência Servidores

Votação da Reforma da previdência dos servidores de MT é adiada para a próxima semana

Pedido de vista e sobrestamento da pauta prorrogaram a votação da PEC da Previdência para a próxima segunda-feira (29)
Sexta-feira 26 de Junho de 2020
MT Econômico/ALMT
Votação da Reforma da previdência dos servidores de MT é adiada para a próxima semana

A PEC da Previdência dos servidores públicos de Mato Grosso foi adiada na tarde dessa quinta-feira (25) por pedido de vistas compartilhada por oito deputados. A votação está prevista para acontecer na próxima segunda-feira (29).

O Projeto de Lei Complementar 06/2020, que trata da previdência complementar dominou as discussões durante toda a sessão. Os deputados querem garantir emendas ao projeto governamental.

Na segunda-feira (29) de manhã, os deputados estaduais farão uma sessão extraordinária para votar os vetos em tramitação na Casa de Leis. São 21 vetos governamentais que precisam de votação. À tarde, às 17 horas, sessão extraordinária para votar a PEC e o PLC que tratam da previdência do funcionalismo público estadual.

Depois de suprimir o Grande Expediente e entrar direto na votação da PEC, o deputado estadual Sílvio Fávero (PSL), pediu vista da mensagem governamental que foi concedida de forma compartilhada também para os deputados Valdir Barranco, Lúdio Cabral, João Batista, Dilmar Dal´Bosco, Carlos Avalone, Elizeu Nascimento e Paulo Araújo.

O deputado Valdir Barranco (PT), durante discussão da matéria, disse que a PEC “é cruel com os servidores". “Entendo que o governador tinha que ter protelado essa decisão por conta da pandemia. Sou contra na sua integralidade, em favor dos servidores públicos, que não aguentam mais ver retirado do lombo todas as conquistas que tiveram até agora”, disse o parlamentar.

A deputada Janaína Riva (MDB), também discutindo a matéria, destacou que “os acordos republicanos que estamos buscando visam trazer menos danos ao servidor público. Não queremos bagunçar a votação, queremos algo viável para o governo e para o servidor. Com a aprovação da alíquota, anteriormente, já aprovamos uma diferenciação para os aposentados e pensionistas. Isso já trouxe um superávit para a previdência”, destacou a parlamentar.

O deputado Lúdio Cabral (PT), em discussão durante a votação, fez questão de destacar que “as regras de transição para todos os servidores precisam ser asseguradas através de um debate justo e transparente. Do contrário, será mais uma apunhalada do governo”, disse o parlamentar.

Leia mais: Edital de R$ 50 milhões incentiva projetos de inovação que envolvam tecnologias


COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS